No olho da rua

Canal Atualidade
Fabiano Gomes
O barbeiro Genivaldo vai de bicicleta  até os clientes
O barbeiro Genivaldo vai de bicicleta até os clientes

Sem palco fixo ou estabelecimento comercial, eles vão aonde o povo está

O artista tem de ir aonde o povo está, disse Milton Nascimento. Muitos profissionais levam esta lição bem a sério. O cantor Geú Pereira, 22 anos, se apresenta na rua, tendo como plateia os motoristas. Basta o sinal fechar e lá está ele, soltando o gogó por alguns segundos de fama, tendo como acompanhante uma caixa de som de 20 quilos e uma bateria com quatro horas de autonomia. “Com o que ganho, sustento esposa e quatro filhos”, conta com orgulho o cantor, figura conhecida nas vias públicas de Campos, Macaé, Rio das Ostras e Búzios.

Genivaldo Pereira Nunes, 53 anos, não canta, mas é um artista com a tesoura na mão. Radicado em Campos há oito anos, o barbeiro atende os clientes em domicílio. Locomove-se de bicicleta, levando na garupa uma cadeira e uma caixa com seus apetrechos. “Esse foi o jeito que encontrei para trabalhar e ter visibilidade”, explica. O celular toca e lá vai ele para um novo serviço - dessa vez cortar o cabelo do comerciante Ageu Pereira, que alega não ter tempo para esperar numa barbearia.

Quando o trabalhador corre atrás, o resultado aparece. Cobrando R$ 10 pelo corte e distribuindo cartões por onde passa, Genivaldo vê sua clientela aumentar a cada dia. Geú já foi convidado a se apresentar com uma banda de pagode numa casa noturna e ganhou uma bolsa de estudos num curso de idiomas - presente de um empresário que o viu cantando em inglês. São os bailes que a vida oferece, seja onde o artista estiver.